Central de Contatos: 71 3203.2200 Geral: 71 3203.2200 Consultas e Exames: 71 3203.2222 Consultas: 71 3203.2222

Publicado em: 26 de setembro de 2018

Palestra Setembro Verde reforça importância importância da prevenção do câncer colorretal

cortada

Especialistas do Cárdio Pulmonar, Ramon Mendes e Allan Rego

A estimativa do Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva (Inca) para 2018 é de quase 37 mil novos casos de câncer colorretal no Brasil. O alerta foi feito na tarde desta terça-feira (25) aos integrantes e clientes do Hospital Cárdio Pulmonar (HCP) durante palestra Setembro Verde, que reforça as atividades dedicadas ao esclarecimento e prevenção da doença.
A aula foi ministrada na Sala de Treinamento do PAD pelo coordenador do Serviço de Gastroenterologia do HCP, o gastroenterologista Allan Rego, e pelo cirurgião coloproctologista Ramon Mendes. Os especialistas falaram sobre prevenção, causas, sintomas, tratamento e novidades em relação ao rastreamento da doença.
Os médicos alertaram, por exemplo, que passou de 50 para 45 anos a indicação da realização da colonoscopia – um dos principais exames para identificar e retirar pólipos, que são lesões precursoras das lesões. “O câncer colorretal é o segundo mais comum nas mulheres, atrás do câncer de mama, e o terceiro mais comum nos homens, atrás de próstata (primeiro lugar) e pulmão/traquéia”, explicou dr. Ramon Mendes.

Como reforçou dr. Allan Rego, o câncer colorretal é uma doença silenciosa e a identificação precoce pode levar a uma cura entre 70% e 80% dos casos. “A prevenção e a identificação precoce continuam sendo nossos maiores aliados no combate à doença e a colonoscopia é um exame seguro, que também identifica outras doenças do intestino”, explicou.

O intervalo de tempo para se repetir o exame depende do achado inicial, variando de um a 10 anos. “Além dos pólipos, a colonoscopia pode diagnosticar outras doenças intestinais, como divertículos e doenças inflamatórias”, completa  Allan Rego, explicando que a colonoscopia é feita após o preparo (limpeza) do intestino e o exame é realizado sob sedação, com a presença do anestesista durante o procedimento que leva 20 minutos em média.

Prevenção

Entre os principais fatores de risco para o desenvolvimento do câncer colorretal, os médicos citaram a obesidade, sedentarismo, tagabismo, alcoolismo, dieta pobre em fibras (rica em gorduras e carne vermelha e defumados), idade e histórico pessoal ou familiar de câncer.

Apesar de só apresentar sintomas quando em estágio avançado, os principais sinais do câncer colorretal são diarréia, constipação, sensação de esvaziamento intestinal incompleto, presença de sangue ou muco nas fezes, dor abdominal, perda de peso, alteração no formato das fezes (forma de fita), anemia inexplicável e fraqueza.

MAIS NOTÍCIAS