PARA MÉDICOS PARA PACIENTES
Central de Contatos: 71 3203.2200 Consultas e Exames: 71 3203.2222 WHATSAPP RESULTADOS DE EXAMES

Publicado em: 04 de abril de 2019

Paciente recebe animalzinho de estimação e inaugura visitas de pets no Cárdio Pulmonar

A visita de Pipoca fez toda a diferença para a estudante universitária Maria Isabel Ruff, 21 anos, que ficou internada por mais de 30 dias para um tratamento à base de antibioticoterapia venosa. A cadelinha, que saiu de Arembepe e percorreu mais de 50 quilômetros para chegar a Salvador, foi a estreante do Protocolo para Visitas de Animais Domésticos a Pacientes Internados do Hospital Cárdio Pulmonar (HCP).

“Ao vê-la tive a sensação que um pouco do meu mundo estava ali comigo, dentro do hospital. Desde que a adotei, tenho uma relação de muito amor com ela. Sem dúvidas, levantou meu astral”, descreveu Maria, que tem mais cinco cães e ficou emocionada com a concretização de um desejo que nutria a partir da leitura de matérias sobre o potencial terapêutico do contato de pacientes hospitalizados com animais.

“Quando fui internada da outra vez, pensei como seria bom seu eu pudesse receber Pipoca. Ao retornar, sinalizei para a equipe de fisioterapia. Conversamos sobre a possibilidade da visita e o hospital acatou com base no protocolo. Cumprimos todas as etapas, incluindo vacina, banho e roupinha, e ela veio me ver depois de quase 20 dias”, contou Maria, agradecendo o carinho e a atenção das equipes do HCP que viabilizaram o contato entre as duas.

A gerente de Hospitalidade do HCP, Bárbara Reis, comemorou o início do programa, disse que a visita integra o plano de humanização e foi viabilizada pelo Time de Hospitalidade. “Avaliamos todas as ações que podem ser feitas para garantir maior sensação de bem-estar a cada paciente, sobretudo os que passam por logos períodos de internação”, disse Bárbara, ao comentar que é interessante perceber a preocupação do paciente em minimizar o sofrimento do animal, que não entende a ausência do dono em casa.

A supervisora do Serviço de Atenção ao Cliente, Andréa Pimentel, que é líder do Time de Hospitalidade, destaca que a visita do pet é muito criteriosa e passa por uma decisão integrada. “A relação de Maria com Pipoca logo nos cativou, pois trata-se de uma cadela que sofreu maus-tratos e foi adotada depois do resgate feito pelo Corpo de Bombeiros de Simões Filho. Notamos desde o início o grande vínculo afetivo entre elas”, disse Andréa, satisfeita com o resultado da iniciativa.

Protocolo

Como explica o coordenador do Serviço de Controle de Infecção Hospitalar do HCP, o infectologista Alan Neves, depois de revisar vários estudos baseados em literatura internacional, foi montado o protocolo que padroniza condutas para visita de animais domésticos a pacientes internados, contribuindo para o tratamento e bem-estar de forma segura, minimizando riscos (transmissão de infecções, alergias, mordeduras, arranhaduras, entre outros).

“Diante dos benefícios, a visita de animais a pacientes hospitalizados pode ser considerada uma intervenção terapêutica e contribui para a recuperação e o bem-estar. No entanto, é preciso nos cercarmos de cuidados para que os animais não sejam vetores de patógenos potenciais para humanos”, salienta Alan Neves.

Entre os itens de avaliação do paciente, que precisa ter o aval de toda a equipe de assistência, o animal também deve obedecer a critérios para que tenha a entrada liberada, a exemplo de estar com vacinas em dia, ter tomado banho, ter comportamento adequado, não ter lesões de pele e ter idade mínima de um ano, entre outras, como enumera o especialista.

Vale ressaltar que, além do animal do próprio paciente, o protocolo do HCP prevê também a visita de cães que são treinados e integram um programa de Terapia Assistida por Animal (TAA). Os condutores desses animais também são treinados para realizar o melhor e mais seguro encontro entre os animais e os pacientes da instituição.

MARIA 6

MARIA

MAIS NOTÍCIAS