Central de Contatos: 71 3203.2200 Geral: 71 3203.2200 Consultas e Exames: 71 3203.2222 Consultas: 71 3203.2222

PARA PACIENTES

PARA MÉDICOS

Publicado em: 03 de setembro de 2018

Especialistas reduzem idade para acompanhamento de pólipos intestinais

O diagnóstico cada vez mais precoce de pólipos – lesões precursoras do câncer de intestino – levou especialistas a alterarem a indicação para a realização da colonoscopia. Agora, a recomendação é que o exame seja realizado regularmente a partir dos 45 anos. Antes, a orientação era a partir dos 50 anos. A mudança é uma das novidades do Setembro Verde, campanha dedicada à prevenção do câncer de intestino realizada este mês em todo o país. 

“Estudos americanos concluem que nascidos nos anos de 1990 terão o risco dobrado de câncer de cólon e quadriplicado para tumores de reto quando comparados a pessoas nascidas em 1950”, explica o gastroenterologista Allan Rego, coordenador do Serviço de Gastroenterologia do Hospital Cárdio Pulmonar, que, mais uma vez, aderiu à campanha Setembro Verde.

O câncer de intestino atinge 30 mil brasileiros por ano, segundo o Instituto Nacional do Câncer (Inca). Dados do instituto atestam que este é o segundo tipo mais comum de câncer entre as mulheres, perdendo apenas para o de mama, e o terceiro mais comum entre os homens depois dos de próstata e pulmão.

De acordo com o Allan Rego, se descoberto precocemente, o câncer de intestino pode ser curável em 70% dos casos. Grande parte dos tumores intestinais origina-se dos pólipos, que são lesões benignas com potencial de transformação em câncer. “A prevenção deve ser feita realizando-se colonoscopia, que detecta lesões precoces, garantindo o sucesso do tratamento. Quando se realiza uma colonoscopia, os pólipos devem ser retirados, evitando-se assim a sua progressão”, pontua o especialista.

Intervalo

O gastroenterologista orienta também que o intervalo de tempo para se repetir o exame depende do achado inicial, variando de um a 10 anos. “Além dos pólipos, a colonoscopia pode diagnosticar outras doenças intestinais, como divertículos e doenças inflamatórias”, completa Allan Rego. 

A colonoscopia é realizada após o preparo (limpeza) do intestino, utilizando-se uma medicação que induz a diarreia. O preparo pode ser realizado em domicílio ou no hospital. No Cárdio Pulmonar, alguns exames são feitos com o preparo no hospital. 

“O internamento garante maior segurança e conforto porque, ao tempo em que o paciente apresenta a diarréia, ele é também hidratado e permanece sob vigilância médica e da enfermagem até o momento do exame, realizado sob sedação, com a presença do anestesista. A anestesia faz com que o paciente não sinta dor ou qualquer outro desconforto”, pontua o coordenador. 

 

Principais indicações da colonoscopia:

– A partir dos 45 anos – rastreamento de pólipos ou tumores precoces;

– Dor abdominal;

– Sangramentos intestinais;

– Investigação de diarreia ou constipação;

– Doenças inflamatórias intestinais.

MAIS NOTÍCIAS