Central de Contatos: 71 3203.2200 Geral: 71 3203.2200 Consultas e Exames: 71 3203.2222 Consultas: 71 3203.2222

PARA PACIENTES

PARA MÉDICOS

Publicado em: 30 de maio de 2018

Consumo de tabaco é causa de mais de 50 doenças

camila_loureiro

Dra. Camila Loureiro, pneumologista

folder-tabagismo1O consumo do tabaco é a principal causa de morte evitável no mundo, sendo fator de risco para mais de 50 enfermidades, a exemplo de doenças cardiovasculares, cerebrovasculares, respiratórias crônicas e neoplasias, segundo a Organização Mundial da Saúde. No Dia Mundial Sem Fumo, 31 de maio, a pneumologista Camila Loureiro afirma que em qualquer idade há benefícios em se parar de fumar, independentemente da existência ou não das doenças relacionadas.

“Esses benefícios vão desde a redução da frequência cardíaca nos primeiros minutos, passando pela melhora progressiva da função pulmonar e da qualidade de vida após alguns meses, até a redução do risco de câncer e doenças vasculares ao longo dos anos”, destaca a médica, que integra a equipe do Programa de Cessação do Tabagismo do Hospital Cárdio Pulmonar. De acordo com a especialista, os mesmos ganhos se estendem aos não fumantes que também estão sob risco de danos à saúde pela exposição passiva ao tabaco.

Segundo a especialista, geralmente são necessárias de três a dez tentativas para se alcançar a abstinência plena. Na maioria dos casos, o maior obstáculo para a cessação do tabagismo não está na dependência à nicotina, uma vez que a duração média dessa dependência é de quatro semanas e existem medicamentos eficazes para aliviar os sintomas da abstinência. “As maiores dificuldades estão relacionadas às dependências psicológicas, comportamentais e sociais”, pontua Camila Loureiro.

De acordo com a pneumologista, um programa integrado com tratamento médico e psicológico individualizado para cada paciente aumenta muito as chances de sucesso. “Vários estudos científicos já demonstraram que a melhor estratégia terapêutica é a abordagem cognitivo-comportamental intensiva em combinação com a farmacoterapia, quando indicada. Além de avaliar a necessidade, prescrever e acompanhar o tratamento medicamentoso, o médico atua na mensuração do comprometimento funcional e na identificação de doenças crônicas agravadas pelo tabagismo”, explica.

Para a especialista Camila Loureiro, juntamente com o médico, o psicólogo tem importante papel no aconselhamento, trabalhando com as barreiras e associações comportamentais, “preparando os ambientes domiciliar e profissional e o círculo social, estimulando a busca por hábitos saudáveis e outras fontes de prazer”.

MAIS NOTÍCIAS